Por isso, eu te peço. Me provoque. Me beije. Me desafie. Me tire do sério. Me tire do tédio. Vire meu mundo do avesso.

Clarice Lispector.   (via inverbos)

Eu não sabia muito sobre a vida, tudo que eu sabia era que eu queria sorrir quando ele olhava para mim. E sempre que eu pensava nele também, mesmo que isso me custasse algumas lágrimas durante à noite, eu nunca deixei que ele saísse de mim. Dizem que amigos se guardam a sete chaves, e amores, eu guardo a quatorze.
Depois de muitos anos eu aprendi. Aprendi que o máximo que posso exigir de uma pessoa é o respeito. Aprendi a conviver com ausências, lembranças, menos com a saudade. Essa, meu amigo, com certeza nunca aprenderei a doma-la. Uma vez ou outra ela resolve aparecer para deixar as minhas noites mais melancólicas, mais frias, trazendo a solidão para me fazer uma visita de rotina. Aprendi que o amor é a coisa mais valiosa que alguém pode ter. Amor é algo que pra ser conquistado exige esforço, dedicação, paciência e compreensão. Amor não se implora, não se pede, não se cobra.
Estou sofrendo, sim, estou, mesmo que não aparente, cada manhã que acordo, antes mesmo de lavar o rosto ou esticar os braços, penso em você, eu te amo tanto, tanto, e o que mais dói é perceber que no fim do dia, não irei ter um bom sono se não te der um ‘boa noite’, mesmo sabendo que você estará dormindo tranquilamente.
Aprendi com os meus próprios erros que sofrer não torna mais poético, chorar não deixa mais aliviado e implorar não traz ninguém de volta. Aprendi também que por mais que você queira muito alguém, ninguém vale tanto a pena a ponto de você deixar de se querer. Eu que gritei para tantas pessoas ficarem, hoje só quero mesmo é que elas sumam de uma vez por todas. E em silêncio, que é pra ninguém ter porque se lamentar.
Eu tenho aquela mania de me apaixonar por quem eu não devo. De sofrer por quem nunca me quis bem. Eu tenho essa mania de querer botar todo mundo no coração. Eu não sei amar na medida certa.
Hoje é sábado, talvez chova, talvez eu chore. Talvez você venha. Tudo é incerteza, tudo é talvez, tudo pode ser - o que é bom nunca acontece.
Superar é preciso. Seguir em frente é essencial. Olhar pra trás é perda de tempo. Passado se fosse bom era presente.